Mudança no CNA agiliza fila no processo de adoção

Cadastro Nacional de Adoção (CNA) vai mudar e processo será mais fácil. As alterações estão sendo implantadas pela Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), e entre as principais, está a junção, em um banco de dados único do CNA ao Cadastro de Nacional de Crianças Acolhidas. Desde 2008, quando o CNA entrou em vigor, ficou mais fácil adotar crianças de qualquer parte do Brasil. E agora, as novas mudanças, que ainda estão em fase de implementação prometem facilitar ainda mais o processo.

“A nossa esperança, com as mudanças que virão no cadastro, é que as filas comecem a ser mais ágeis. O cadastro ficou mais amplo, com mais pré-requisitos para ser preenchido, e nossa esperança é que as crianças fiquem por menos tempo nos abrigos”, explica a presidente do Grupo de Apoio à Adoção em Uberaba (Graau), Viviane Fernandes da Silva.

A presidente revela que o cadastro será mais amplo. “A criança que já passou por determinada comarca e o perfil dos pretendentes não se encaixou, ela vai para o cadastro nacional, desta forma pode ser adotada em qualquer comarca, o que será bom para a criança e também para os pais que de desejam adotar, acredito que duas filas irão de encaixar”, explica Viviane.

A questão era uma necessidade antiga e que já havia sido apontada pelos envolvidos no processo de adoção. Segundo, Viviane é preciso acelerar a fila, em respeito aos pretendentes, como também pelas crianças. Ela afirma que o cadastro nacional está mudando para melhorar essa realidade, para que seja mais global, mais rápido, adequando a lei de 2009, que determina que a criança não deve ficar por tanto tempo no abrigo. Atualmente, há quase 8 mil menores e mais de 40 mil adotantes cadastrados no CNA.

FONTE: Jornal da Manhã